Benefício dos dados em tempo real e o controlo dos custos na Lavandaria

25/10/22
Benefício dos dados em tempo real e o controlo dos custos na Lavandaria

A Cáritas Diocesana de Coimbra é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) que apoia de forma transversal as comunidades nos âmbitos social, saúde, educação e pastoral, em cinco distritos da região Centro. Atualmente, esta Instituição conta com um total de 90 estruturas físicas dispersas por toda a área geográfica da Diocese de Coimbra, que, juntas, oferecem mais de 120 respostas sociais. Só em 2021, a Cáritas de Coimbra apoiou cerca de 14mil pessoas. Implantada desde a década de 50, a Cáritas Diocesana de Coimbra sempre procurou acompanhar e responder, subsidiariamente, aos problemas das comunidades, utilizando uma metodologia que privilegia o diálogo, a cooperação e o trabalho em rede. Nos dias de hoje, foca a sua intervenção na procura de estratégias inovadoras e economicamente sustentáveis, que permitam a prestação de respostas com qualidade, adequadas às necessidades emergentes, mantendo como enfoque o humanismo, profissionalismo e o rigor técnico e científico. Consciente da sua responsabilidade social, a Cáritas de Coimbra tem, ao longo dos tempos, desenvolvido a sua ação de forma a privilegiar as pessoas, famílias e grupos social e economicamente mais carenciados. Os seus 90 Centros oferecem respostas em diversas áreas, nomeadamente: social (crianças e jovens em risco, seniores, VIH/sida, adição, sem-abrigo, intervenção comunitária); saúde (ambulatório, internamento); educação (infância, tempos livres); e ação pastoral. Além disso, a Instituição disponibiliza outros serviços, como ações de formação, clínica de saúde e serviço de lavandaria.

Qual o impacto no tecido empresarial na região centro do país?

Apesar da Instituição só ter “visível” a lavandaria Mondego (inserida no seu Centro Comunitário de Inserção, na Baixa de Coimbra), por esta ser a única a prestar serviço externo, a verdade é que dispõe de um total de 18 lavandarias - 8 em Coimbra, 3 na Figueira da Foz, 2 em Arganil, 2 na Pampilhosa da Serra, 1 em Góis, 1 em Oliveira do Hospital e 1 em Penela. Todas estas lavandarias estão inseridas em Centros da Cáritas Diocesana de Coimbra, servindo os utentes em regime residencial e/ou apoio domiciliário, tratando das roupas de cama e do vestuário dos utentes, bem como dos uniformes dos colaboradores. Como foi referido atrás, além desta missão interna, a lavandaria Mondego presta serviço ao público em geral.

No que diz respeito à gestão das lavadarias que dados estatísticos conseguem retirar?

Segundo dados apurados no primeiro semestre deste ano, as 18 lavandarias lavaram, por mês, 55 toneladas de roupa. Ou seja, por dia - em apenas 8 horas - são lavadas cerca de 2 toneladas de roupa na Cáritas Diocesana de Coimbra.

Quais as vantagens sentidas, aquando a modernização do processo, com a implementação do sistema LAVNET?

Só em produtos químicos (ex.: detergentes), a Instituição tem um encargo mensal que ronda os 3.5mil euros. A juntar a este valor, estão ainda a água, luz, desgaste dos materiais, processo de engomagem, serviço de entrega e recursos humanos. Este volume de trabalho obriga a que a Cáritas de Coimbra procure constantemente a rentabilização dos seus recursos. Nesse sentido, implementou o sistema LAVnet, que visa monitorizar em tempo real o processo de lavandaria – além de permitir ler os dados e ajustar os processos a qualquer altura da lavagem, fornece estatísticas de consumos e custos por programas e/ou máquinas, chegando mesmo a identificar alarmes ou outras incidências. O software LAVnet revelou ser uma mais-valia para a Instituição, principalmente devido aos dados que fornece sobre a taxa de rejeição de cada máquina ao lavar a roupa. Quando esta taxa se revela elevada, é feito um ajuste imediato, otimizando as lavagens futuras (tanto a nível de matéria-prima, como de tempo), o que permitiu à Cáritas Diocesana de Coimbra controlar e, ainda, reduzir custos. Além disso, há a questão de o sistema de dosagem ser automático, que anula a margem de erro e/ou desperdício muitas vezes ocorrente da dosagem manual.

Com este sistema, que controlo conseguem agora ter e de que forma acham que isso trás competitividade à Cáritas Coimbra?

Cada lavandaria da Cáritas de Coimbra tem a sua necessidade e, por isso, o equipamento é ajustado a cada uma individualmente, havendo, por exemplo, Centros que têm máquinas de lavar industriais com capacidade para 7kg e outros com 23kg. O facto de ter na sua alçada 18 lavandarias com sistemas distintos para gerir, obriga a um meticuloso planeamento de sustentabilidade, tendo como foco a pegada ecológica e a questão financeira. Tudo isto para atingir um nível de eficácia de excelência. Segundo dados verificados na Cáritas Diocesana de Coimbra, prevê-se que em 2022 os gastos com a energia sofram um aumento drástico, quase que triplicando. Não tendo havido alterações significativas nos consumos, isto indica que o preço da energia está a aumentar exponencialmente, o que influencia de forma gravosa os custos na área da lavandaria. A este facto, por si só já alarmante, acresce agora a preocupação com a atual inflação verificada no mercado em geral, que tem provocado grandes aumentos em todos os setores, questão agravada com a guerra Rússia-Ucrânia. A energia (eletricidade e gás) tem representado aumentos consideráveis nas contas da Instituição e, por isso, é importante controlar os gastos para manter a situação financeira estável e sustentável. A redução dos custos é uma preocupação constante e, nesse sentido, o LAVnet tem demonstrado ser um apoio relevante, devido ao seu controlo rigoroso na utilização dos produtos. Outra preocupação na gestão da área da lavandaria, passa pelo redimensionamento das máquinas em função do volume de trabalho em cada Centro, fazendo uma gestão personalizada em função das necessidades reais. Para além do redimensionamento ajustado ao Centro que vai servir, quando existe a necessidade de adquirir um novo equipamento para lavandaria, a Instituição tem como preocupação base a sua eficiência.

Quanto à gestão das lavandarias, que projetos estão em curso ou pensam vir a adoptar para que tornem ainda mais sustentável tanto ao nível financeiro como impacto ambiental?

O cuidado com a sustentabilidade ambiental tem sido uma crescente nas 18 lavandarias. Atualmente, a Instituição tem 4 fornecedores de produtos químicos, procurando sempre as melhores soluções ao nível ambiental, com produtos mais concentrados e amigos do ambiente. Para reduzir ainda mais a sua pegada ecológica, nos últimos 3 anos a Cáritas Diocesana de Coimbra tem apostado na instalação de sistemas fotovoltaicos para produção de energia elétrica. Além do contributo ambiental, este sistema tem sido uma resposta eficaz na redução dos custos mensais com a eletricidade. Outra forma encontrada para otimizar os custos com a lavandaria passou por ajustar o funcionamento das máquinas para ciclos horários onde a energia é mais barata. As lavandarias que dispõem de fotovoltaicos fazem a lavagem durante o dia, aproveitando a energia solar fornecida pelos painéis. Já nos casos em que a energia é fornecida pela rede de distribuição, a Instituição procura ajustar o funcionamento das máquinas de lavar para os ciclos horários mais baratos (Vazio/Super Vazio). Por exemplo, na Unidade Residencial Sagrada Família, em Cabreira – Góis, as máquinas ficam a trabalhar durante a noite, no período em que a energia é mais barata.

Falando no futuro, quais são os próximos passos para a Cáritas Diocese de Coimbra?

A médio prazo, a Cáritas Diocesana de Coimbra tem no seu horizonte iniciar o processo de centralização das lavandarias. Com esta ideia a Instituição ambiciona reduzir substancialmente o número de lavandarias e, assim, conseguir apostar em máquinas de maior capacidade, com grande eficiência e tecnologia avançada. Isto permitiria reduzir os recursos de forma geral.

O que ambicionam no que diz respeito ao projeto da lavandaria e no global, enquanto Instituição?

A Cáritas Diocesana de Coimbra é uma instituição com décadas de história. Neste contexto, respeitando as experiências e sucessos do passado, procura inovar de modo a adaptar-se aos desafios emergentes e corresponder às alterações da sociedade, aperfeiçoando processos e respeitando e valorizando os seus recursos humanos.